sexta-feira, 23 de setembro de 2011

PREMONIÇÃO 5


A premonição de um homem salva trabalhadores da morte, mas ela está mais perto do que nunca já que, apesar de boas pessoas, esse grupo não deveria ter sobrevivido. Numa corrida contra o tempo, eles tentam proteger uns aos outros da terrível perseguição da morte. Com exibição em 3D.


Trailer

sexta-feira, 16 de setembro de 2011

Conan, o Bárbaro" se resume a sangue e pancadaria.

A nova versão para o cinema das aventuras do herói tem participação de Stephen Lang e Ron Perlman.
Conan é um homem de poucas palavras - para sorte de seu limitado intérprete, o havaiano Jason Momoa, das séries "Game of Thrones" e "Baywatch" - e de ações banhadas com muito sangue.
"Conan, o Bárbaro", que estreia nesta sexta-feira em cópias convencionais e 3D (ambas com opções dubladas e legendadas), reinventa o personagem que foi levado ao cinema no começo dos anos 1980 por Arnold Schwarzenegger, agora sob a direção de Marcus Nispel, cujo currículo inclui remakes de "Sexta-feira 13" e "O Massacre da Serra Elétrica".
De um diretor cuja filmografia pouco se pode esperar, é uma surpresa que "Conan" seja apenas sem graça - poderia ser bem pior.
A narrativa, assinada por três roteiristas, a partir do romance original de Robert E. Howard, não perde tempo com preâmbulos. O bebê Conan nasce de uma intervenção que parece ter sido uma das primeiras cesarianas da história, quando sua mãe, ferida e à beira da morte, pede ao marido (Ron Perlman) que corte seu ventre e retire o bebê, pois quer vê-lo antes de morrer.
Anos mais tarde, o garoto (Leo Howard) prova sua coragem e destreza ao matar e decapitar sozinho, um grupo de bárbaros mais bárbaros que os da sua aldeia -- pois estes são capazes de organizar frases, enquanto os outros brucutus se comunicam apenas por grunhidos. Mas quando a aldeia é dizimada, Conan (agora Momoa) cai no mundo e se torna um mercenário, em busca de vingança.
"Conan, o Bárbaro" é uma espécie de versão de "O Senhor dos Anéis" feita para ser exibida no lugar de uma luta de MMA. Tudo se resume a pancadaria e sangue. Até a deslocada cena de sexo entre Conan e uma sacerdotisa puro-sangue, Tamara (Rachel Nichols), parece uma cena de luta.
O único humor do filme vem das poucas falas declamadas com certa pompa, como se fossem grandes profecias ou algo que o valha. E procurar alguma relação entre Conan e os acontecimentos do 11 de setembro de 2001 talvez seja dar crédito demais a um filme de pancadaria. Nesse sentido, o longa de Nispel cumpre o que promete, embora não vá além disso.

Trailer




quinta-feira, 8 de setembro de 2011

O Homem do Futuro

O grande ator Paulo José afirmou certa vez que “o Brasil faz o melhor cinema brasileiro do mundo”. E de alguns anos para cá, acrescentaria eu, o país começa também a fazer cinema americano. Explicando: o filão de sucesso comercial descoberto pelo primeiro Se Eu Fosse Você abriu para o cinema brasileiro o caminho de produzir filmes muito parecidos, quase idênticos, àqueles que a indústria de cinema dos EUA já faz há décadas. O Homem do Futuro seria a quarta produção desta safra/tendência, vindo logo depois de Se Eu Fosse Você 1 e 2, e de A Mulher Invisível. Sem entrar neste momento em juízo de valor desta prática. É apenas uma constatação.

A ideia seria a de tomar emprestados todas as fórmulas e padrões desenvolvidos pelas comédias americanas que nos acostumamos a ver na Sessão da Tarde e refazê-las com grandes atores brasileiros reconhecidos pelo grande público. Da mesma forma que Se eu Fosse Você e A Mulher Invisível são amálgamas de várias ideias e situações já experimentadas anteriormente em outros filmes americanos, da mesma maneira O Homem do Futuro é um imenso caldeirão onde se cozinham juntos De Volta para o Futuro, Peggy Sue - Seu Passado a Espera, Um Homem de Família e tantos outros.

Não é exatamente um demérito. O Homem do Futuro tem produção caprichada, bom ritmo de comédia romântica, e ostenta dignamente o enorme talento de Wagner Moura, nome que divide com Selton Mello e Rodrigo Santoro o podium atual de grandes atores brasileiros que sabem mesclar talento e popularidade. Sem tirar o brilho de Alinne Moraes, uma presença marcante e bem-vinda no filme.

O Homem do Futuro acerta ao admitir suas próprias limitações no sempre muito exigido quesito dos efeitos especiais, e cria para isso soluções simples e eficientes. E, principalmente, tem o grande mérito de produzir um humor digno, inteligente, divertido, sem o constrangimento de muitas das atuais “globochanchadas”. O filme pode, sossegadamente, ser curtido por toda a família.

Trailer



sexta-feira, 2 de setembro de 2011

Apollo 18


Oficialmente, a Apollo 17, lançada em 17 de dezembro de 1972, foi a última missão à Lua divulgada. Mas, um ano depois, dois astronautas americanos foram enviados para lá em uma missão secreta, financiada pelo Departamento de Defesa dos Estados Unidos. O que você está prestes a ver são imagens reais que eles fizeram durante a missão Apollo 18. Enquanto a NASA nega a sua autenticidade, outros acreditam que essa foi a verdadeira razão para o Homem nunca ter voltado à Lua.

Curiosidades:

Inicialmente intitulado 'A Missão Proibida - Apollo 18'.
'Apollo 18' usa a mesma técnica de filmagem de filmes como 'Cloverfield - Monstro' e 'Atividade Paranormal'.

O filme é produzido por Timur Bekmambetov ('O Procurado') e conta com a direção de Gonzalo Lopez-Gallego, em seu primeiro trabalho hollywoodiano.

Trailer